Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Ki tavo” – Chabad Portugal

Na Parashá desta semana, lemos sobre a Mitzvá de Bikurim, o mandamento de reunir os primeiros frutos maduros e trazê-los para Jerusalém.

Embora as instruções da Torá sejam muito descritivas e cheias de detalhes, não há uma explicação clara para o propósito desta Mitzvá.

Qual é o objetivo final desta Mitzvá e o que é que há de tão especial com os primeiros frutos? Continue a ler (Continue reading)→

Dangerous Advice Your Rabbi Might Give You Before Rosh Hashanah – How to search through your past without falling into it

By Tzvi Freeman
In: http://www.chabad.org/holidays/JewishNewYear/template_cdo/aid/3770514/jewish/Dangerous-Advice-Your-Rabbi-Might-Give-You-Before-Rosh-Hashanah.htm#utm_medium=email&utm_source=1_chabad.org_magazine_en&utm_campaign=en&utm_content=content

Proceed With Caution

There’s a lot of bad advice going around this time of year. Dangerous advice. The Internet is full of it. So is your synagogue. Maybe even your favorite rabbi.

Look, they mean well. But they’re often completely unaware of the hazards involved. Which makes their advice an even greater threat to your mental and spiritual health.

“Days of Judgment are upon us,” they tell you. “Rosh HashanahYom Kippur. It’s time to take an account of all you’ve done wrong in the past year and resolve never to return to your wayward deeds.”


Absolutely true. Absolutely crucial. And equally dangerous.

SuchWithout serious precautions, this inventory-taking can be downright toxic. advice works wonders for the spiritually advanced. But for the rest of us, without serious precautions, this inventory-taking can be downright toxic. Here’s why:

  1. Dwelling on the moral misdemeanors of your past and the brute instincts from which they emerged is guaranteed to lead to depression. Now get this, and get it straight and clear: There’s sin, there’s evil, there’s hell, and then there’s depression. At least hell gets you somewhere.
  2. Contemplating how and why you chose to act out those urges, you will re-experience the thrill and pleasure you drew from them. Which just makes it all the more likely that you’ll do more of the same.
  3. Worse yet: You might take this life-review to heart. Then you’ll say, “Boy, was I rotten! Boy, was I nasty! I guess I’m just a real rotten, nasty guy and always will be”

That last one is the real killer. Because it defeats your original purpose in engaging in this self-review in the first place. If you’re making this review, it’s because you already regret your past and want to leave it behind. You want the coming year to be a year of growth and blossoming of all your spiritual potential.

Just by starting that journey, you’re forgiven already. He’s a forgiving G‑d. All it takes is a moment of regret to be forgiven.

But you’re looking for more than forgiveness. The point of this review is not the past, not the present, but the future. You need to grow out of your past. You need to change. Inner change.

And here you’re sabotaging all of that. Because the key to inner change is to change who you think you are. But if you think you’re a louse, you will be a louse.

If you think you’re a louse, you will say, “Why would a great, perfect G‑d pay attention to the prayers of a louse like me? Why would He want my mitzvahs? Why would He want anything to do with me?”

“Serve G‑d with joy.”1 It’s not going to work otherwise.2 Yes, there was a time when people could handle a good portion of bitter herbs and still stay joyful. But, as the Rebbe, Rabbi Menachem M. Schneerson of righteous memory put it,Today, we just don’t have the strength to deal with bitterness. today, we just don’t have the strength to deal with bitterness. We need inspiration, motivation and celebration. Bitterness still has its place, but only once you’ve fully revved up the engine of joy.3

In short, your yearly inventory is likely to be not only counterproductive, but a plan for disaster. Unless…

Daniel Burka on Unsplash

Daniel Burka on Unsplash

Search and Rescue

Unless you know what you are looking for. And what you are looking for is definitely not your sins. You’ll find those—like you’ll find clots of hairy muck while clearing clogged pipes. But they’re not the object of your search. You’ll only find those so you can chuck them out—immediately.

You are looking for yourself. Your true self. And you can only find that by looking back there, taking a road trip though all the inner places where your true self was lost.

InCall it a cognitive reframing of your past self, so that you can move forward. the lingo of psychology, you’re doing a cognitive reframing of your past self, so that you can move forward.

“And you will search for G‑d, your G‑d, from there, and you will find Him, because you will seek Him with all your heart and all your soul.”4

That’s the first mention of teshuvah in the Torah. Teshuvah is too often translated as repentance. That’s wrong. Repentance means you’re bad and now you’ve resolved to be good. Teshuvah means returning. Returning to the true, pure self that never changes. Because it is a breath of G‑d who does not change.

Search back there, through the mud and the murk of your past. Search past the deeds and the words. Those are but symptoms. You don’t heal by treating symptoms.

Search back there, through the blood-boiled chambers of your heart, past the callous egotism that allowed those things, past the fool who allowed himself to believe he was G‑d and therefore could do whatever he pleased and trample over whoever got in the way, past the hard rock walls of a heart that just didn’t care.

Search there with all the faith of your heart and soul, saying, “Deep inside here, I know I will find a pure soul. I know that when I did those things, when I acted the way I did, that pure soul was screaming bloody murder. I heard its voice, but I didn’t listen. Instead, I heard the voice of a beast, and I let myself believe that was me.”

“But I am not a beast. I am not a louse. I am an innocent child. I am a spark of the divine. And I will find that pure soul there within that darkness and I will rescue it from there.”

Chris B on Unsplash

Chris B on Unsplash

Faith In Yourself

Only once you have faith in yourself can you see yourself objectively. You can admit to your faults, because they are not you.

Only once you have faith in who you really are can you understand why these things don’t suit you. Like poor choices from a wild shopping spree, shoes that hurt your feet, pants that never fit, gaudy jewelry and cheap accessories, they just have to be chucked so you can move on in life.

Searching for yourself is a journey that takes far more faith than any pilgrimage. Just as you have faith in a G‑d you cannot see, so you must have faith in your own soul whose voice you cannot hear.

Because G‑d has faith in that soul. G‑d has faith in you. Faith you cannot fathom.

David, sweet singer of Israel, sang to G‑d: “On Your behalf, my heart says to me, ‘Seek my innermost!’ G‑d, I seek Your innermost.”5 For an entire month before Rosh Hashanah and until Hoshana Rabbah, we repeat those words twice a day in our prayers.

BecauseAt this time of year, the innermost of your heart is calling, saying, “Check me out. I am who you really are.” that’s what your heart is doing during those days. It’s beckoning to you, “Check me out. Check me out deeply. Beneath all the schmutz, I am dark but beautiful. I am who you really are, and can truly be.”

Search there, rescue yourself from there, and you will be that.

And you will be surprised. Because there you will find that G‑d Himself was always breathing within you.

Maamar Ani L’Dodi 5729.
Annie Spratt on Unsplash

Annie Spratt on Unsplash


FOOTNOTES

1. Psalms 100:2.
2. See Tanya, Chapter 26.
3. Maamar Margala B’fuma D’Rava 5746. See also Hitvaduyot 5719, page 235. Maamar Ani L’Dodi 5729. Sefer HaSichot 5748, Matot-Massei. Sefer HaSichot 5750, page 93.
4. Deuteronomy 4:29.
5. Psa


BY TZVI FREEMAN

Rabbi Tzvi Freeman, a senior editor at Chabad.org, also heads our Ask The Rabbi team. He is the author of Bringing Heaven Down to Earth. To subscribe to regular updates of Rabbi Freeman’s writing, visit Freeman Files subscription. FaceBook @RabbiTzviFreeman Periscope @Tzvi_Freeman .

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Balak” – Casa Chabad de Portugal

Balak

Na Parsha desta semana, Balaque, o Rei de Moabe, ordena ao profeta Bilam que amaldiçoe o Povo Judeu.

Motivada pelo medo e pelo ciúme, a missão está destinada ao fracasso. Em vez de maldições, Bilam abençoa o Povo Judeu com bênçãos bonitas e poderosas.

Uma parte curiosa da história ocorre na jornada de Bilam quando ele se aproximava do acampamento do Povo Judeu. D-us tinha-lhe dito “para não amaldiçoar as pessoas porque elas são abençoadas”. No entanto, Bilam não cede e continua em frente.

Acorda no início da manhã e sela o seu burro. É aí que as coisas começam a ficar complicadas. O burro vê um anjo impedindo o caminho à frente, Bilam, por seu lado, não vê nada. Bilam fica furioso com o burro por continuamente de desviar da estrada e ataca o burro com raiva.

É aqui que acontece algo incrível. O versículo diz-nos que “D-us abre a boca do burro e o burro fala com Bilam: O que eu lhe fiz para você me atingir? ” (Bamidbar 22:28).

O Rabino Isaque Caro, no seu comentário Toldot Yitschak, imediatamente questiona a necessidade deste fenômeno único. “Por que é que D-us empregaria uma ruptura tão extraordinária com o comportamento natural para transmitir uma mensagem tão simples? Não seria mais apropriado um anjo repreender Bilam? Porque a necessidade de uma ocorrência tão milagrosa neste contexto e neste momento?

A explicação do Rabino Caro é curta e direta. Usando uma analogia simples ele ilustra-nos porque é que D-us queria que fosse especificamente o burro a fazer a conversar. Na construção, diz-nos ele, é muito mais fácil demolir e destruir, para então construir com êxito. Quem é capaz de construir algo único e criativo, pode certamente desmontar e destruir.

Ao permitir que o burro fale, D-us estava a querer fazer constatções fortes. Aquele que tem o poder de ter uma conversa através do burro, uma tarefa obviamente claramente mais difícil, pode definitivamente silenciar as palavras de negatividade e ciúme.

Shababt Shalom!

Rabino Eli Rosenfeld

chabadportugal.com


A história do Judaísmo em Portugal é uma fina tapeçaria rica em desafios e sucessos ao longo de tempos imemoriais. As terras portuguesas produziram e acolheram alguns dos nossos maiores Rabinos e líderes. Desde o estadista, líder, e sábio, Rabino Dom Yitzchak Abarbanel até ao autor do Shulchan Aruch, o Rabino Yosef Karo no século dezasseis até mais recentemente ao tempo que passou em Lisboa em 1941 o Grande Rabino de Lubavitch, o solo Portugal foi testemunha de importantes contribuições para o reforço das comunidades Judaicas e da sua compreensão e aderência à Torah.
É em reconhecimento da natureza imorredoira destas contribuições e em honra de todos os Judeus que ao longo de tempos de glória e deescuridão residiram em Portugal, que estes comentários da autoria dos grandes Rabinos de Portugal vos são aqui apresentados – aqui em Portugal.
Um agradecimento especial ao Rabino Shlomo Pereira pela tradução deste texto para português.

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Korach – 3 Tammuz” – Casa Chabad Portugal

Na Parashá desta semana, lemos sobre a rebelião liderada por Korach contra Moshe e Aaron.

A busca de poder por Korach termina com um evento extraordinário. A Torá nos diz como: “A terra abriu a boca e engoliu-os e às suas famílias e a todas as pessoas que estavam com Korach e toda a sua riqueza”. (Bamidbar 16:32)

Por que é que a Torá faz questão de nos dizer que sua riqueza também foi engolida? O que é que podemos aprender com este pequeno detalhe?

Embora todas as pessoas que se juntaram a Korach tenham sido engolidas, a Torá diz-nos que “os filhos de Korach não morreram” (Bamidbar 26:11). Rashi explica que, embora fossem inicialmente parte da rebelião, quando a terra se abriu, eles arrependeram-se e foram salvou.

Fazendo parte de um evento tão histórico, é fascinante saber como os filhos de Korach devem ter pensado nesses momentos. Quais foram os seus pensamentos, através de tudo o estava a acontecer? Mais importante, o que é que podemos aprender com esses pensamentos?

O Rabino líder da ccmunidade de Lisboa no final do século 15, o Rabino Yosef ibn Chayon, compartilha connosco algumas idéias fascinantes sobre este episódio. No seu comentário ao Salmo 46 ele diz-nos que é aqui que os pensamentos dos filhos de Korach são registados para a posteridade.

O Salmo abre com as palavras “Para o maestro, uma canção dos filhos de Korach”, diz o Rabino Chayon, esta música foi composta pelos filhos de Korach, descrevendo a sua salvação nos acontecimentos de nossa Parashá.

“D-us é para nós um abrigo e uma força” refere-se à sua salvação ao não cair para aa profundesas da terra. E o versículo continua, “portanto, não teremos medo quando a Terra muda e quando as montanhas cambaleiam”.

No versículo seguinte, lemos uma descrição fascinante das coisas que pareciam estar abaixo da superfície da Terra naqueles momentos. “As águas devem agitar-se e ficar misturadas” (Salmo 46: 4). Isso, diz o Rabino Chayon, é uma descrição de toda a sua riqueza e dinheiro caindo nas águas nas profundezas da terra e sendo transformada numa pasta espessa.

Enquanto a descrição desses eventos pára aqui, as palavras dos filhos de Korach continuam. Alguns capítulos depois, eles nos dizem como ver riquezas e bens físicos.”Não temas quando um homem se torna rico, quando a honra de sua casa aumenta … ele não levará nada consigo ao morrer; a sua glória não descerá com dele …” (Salmo 49: 17-18)

Talvez seja por isso que a Torá inclui estas palavras sobre a riqueza de Korach. Elas fornecem-nos uma descrição em primeira mão, e mostram-nos a inutilidade de atribuir importância à riqueza e ao poder, como seus filhos nos dizem claramente.  É também um lembrete sobre a perspectiva a ter sobre os bens materiais e a capacidade de mudar para o bem a qualquer momento.

Shabat Shalom!


* Esta terça-feira, o Terceiro de Tammuz é o Iahrtzeit, – aniversário do falecimento – do Lubavitcher Rebe, Rabino Menachem M. Schneerson, de abençoada memória. Por favor, considerem a possibilidade de fazer outra Mitzvá e outra boa ação, para continuar o legado do Rebe de trazer mais luz e positividade ao nosso mundo.

Rabino Eli Rosenfeld

chabadportugal.com


A história do Judaísmo em Portugal é uma fina tapeçaria rica em desafios e sucessos ao longo de tempos imemoriais. As terras portuguesas produziram e acolheram alguns dos nossos maiores Rabinos e líderes. Desde o estadista, líder, e sábio, Rabino Dom Yitzchak Abarbanel até ao autor do Shulchan Aruch, o Rabino Yosef Karo no século dezasseis até mais recentemente ao tempo que passou em Lisboa em 1941 o Grande Rabino de Lubavitch, o solo Portugal foi testemunha de importantes contribuições para o reforço das comunidades Judaicas e da sua compreensão e aderência à Torah.

É em reconhecimento da natureza imorredoira destas contribuições e em honra de todos os Judeus que ao longo de tempos de glória e deescuridão residiram em Portugal, que estes comentários da autoria dos grandes Rabinos de Portugal vos são aqui apresentados – aqui em Portugal.

Um agradecimento especial ao Rabino Shlomo Pereira pela tradução deste texto para português.

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat Nasó – Casa Chabad Portugal

Naso

A Bênção dos Cohanim é registada na Parsha desta semana  (Bamidbar 6:24-26).  Esta fórmula imemorialé recitada nas nossas orações bem como em momentos específicos nas nossas tradições.

A estrutura desta bênção consiste em três partes, cada uma delas por sua vez dividida em três versos.

O Rabino Abraão Saba, no seu comentário Tzror Hamor explica que as três partes reflectem três possíveis razões pelas quais poderíamos beneficiar das bênçãos Divinas.  Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Tzaria-Metzora” – Chabad Portugal

Tazria – Metzora

Qual é a semelhança entre Lashon Hara (difamação maliciosa e mexerico) e uma dor de dente?

Famosamente, o Talmúde atribui o Tzara’at, (aflição da lepra) descrito na nossa Parsha como sendo provocado por falar negativamente.

O Rabino Avraham Sabá no seu comentário o Tzror Hamor, elabora sobre esta conexão e ao tal fazer ilustra a gravidade deste tipo de conversa. Continue a ler (Continue reading)→

Rabino Eli Rosenfeld – Parashat “Vayikra” – Chabad Portugal

Vayikra

Esta semana vamos começar um novo livro da Torá, “Sefer Vayikra” o Livro de Levítico. A parsha começa com D-us a chamar Moisés e instruindo-o: “Fala aos filhos de Israel, e diz-lhes …” (Vayikra 1:2) O versículo em seguida, continua listando as leis referents às oferendas que seriam colocadas no Altar.

Dom Abarbanel pergunta-se sobre as razões pelas quais estas instruções foram dirigidas ao povo judeu em geral. Continue a ler (Continue reading)→

Rabino Elia Rosenfeld – Parashat “Tetzavei” – Chabad Portugalia

Tetzave

A Parashá desta semana refere as roupas especiais que eram usadas pelo Cohen Gadol quando  realizava o Serviço no Templo Sagrado. Um dos itens especiais usados ​​era o Choshen, uma placa especial de ouro usada no peito do Cohen Gadol. Embutidos nesta placa estavam doze pedras preciosas representando as Doze Tribos de Israel. As pedras tinham os nomes das doze tribos nelas inscritas diretamente.

Embora haja muitas opiniões sobre como o produto final apareceu, vamos apresentar a opinião e interpretação do Rabino Yitschac Caro (o tio do Rabino Yosef Caro, autor do Shulchan Aruch, Código da Lei Judaica.) No final do século XV, o Rabino Yitschac Caro mudou-se para Lisboa como Rosh Yeshiva, um professor de Torá. Depois de fugir de Portugal, publicou um volume chamado “Toldot Yitschac”, um comentário à Torá.

No seu comentário à Parashá desta semana, ele define a pedra que carregava o nome da tribo de Zevulun como sendo uma pérola. O que é que podemos aprender com uma pérola, e qual é a razão por que representa a tribo de Zevulun?

Como é bem sabido, a tribo de Zevulun eram comerciantes, navegando constantemente os mares ao perseguiam oportunidades de comércio. Como Jacó afirmou nas suas bênçãos finais aos seus filhos: “Zevulun habitará a costa dos mares; ele estará no porto dos navios. “(Bereshit 49:13). Isto, diz o Rabino Caro, é a ligação entre Zevulun e a pérola. A forma da pérola com suas propriedades redondas, evocam o mar. A rota circular que se faz enquanto circunda as águas do mar, é o que a tribo de Zevulun fazia constantemente.

Além disso, a forma circular tem um significado mais profundo. O objetivo dos negócios e viagens de Zevulun, não era a acumulação de riqueza para si mesmo, mas sim para apoiar o estudo da Torá e da erudição nestas matérias. Isto mais uma vez, diz o Rabino Caro, é evocativo da maneira que D-us projetou este mundo com sua natureza circular. O ciclo de mudanças constantes da vida, estão lá para nos lembrar de uma verdade essencial. As nossas bênçãos de sucesso são concedidas, quando usamos os nossos recursos para o bem além do benefício próprio. Isto promove a natureza cíclica da relação de dar e receber, assegurando assim as bênçãos continuadas de D-us.

A pérola, portanto, lembra-nos duas coisas ao mesmo tempo, a atividade professional da tribo de Zevulun e a motivação para tal actividade.

Shabat Shalom e Feliz Purim!

Rabino Eli Rosenfeld

chabadportugal.com

A história do Judaísmo em Portugal é uma fina tapeçaria rica em desafios e sucessos ao longo de tempos imemoriais. As terras portuguesas produziram e acolheram alguns dos nossos maiores Rabinos e líderes. Desde o estadista, líder, e sábio, Rabino Dom Yitzchak Abarbanel até ao autor do Shulchan Aruch, o Rabino Yosef Karo no século dezasseis até mais recentemente ao tempo que passou em Lisboa em 1941 o Grande Rabino de Lubavitch, o solo Portugal foi testemunha de importantes contribuições para o reforço das comunidades Judaicas e da sua compreensão e aderência à Torah.

É em reconhecimento da natureza imorredoira destas contribuições e em honra de todos os Judeus que ao longo de tempos de glória e deescuridão residiram em Portugal, que estes comentários da autoria dos grandes Rabinos de Portugal vos são aqui apresentados – aqui em Portugal.

Um agradecimento especial ao Rabino Shlomo Pereira pela tradução deste texto para português.

Rabino Eli Rosenfeld – Parashat “Bo” – Chabad Portugal

Uma vela

Nesta Parashá desta semana, o Povo Judeu, recebe a Mitzvá relativo à celebração do Dia Santo de Pesach.

Dois dos elementos que definem Pessach são a Mitzvá de comer Matzá, enquanto ao mesmo tempo se abster de comer, ou mesmo possuir, produtos de levadura. Como a Torá declara “No dia catorze do mês, à tarde, comerás Matzá … Durante sete dias não haverá levedura em tuas casas.” (Shemot 11: 18-19). Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Vaerá” – Chabad Portugal

A nossa parashá começa com um diálogo entre D-us e Moisés e Aarão. Moisés mostra repetidamente a sua preocupação em ser um mensageiro digno, em ser capaz de efetivamente comunicar a mensagem de redenção do Egipto.

É no meio deste longo diálogo, onde encontramos um verso com uma formulação curiosa. “D-us falou a Moisés e Aarão e ordenou aos Filhos de Israel e ao Faraó, Rei do Egito, para trazerem os Filhos de Israel da Terra do Egipto”. Shemot 6:13) Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Vayechi” – Chabad Portugal

Vayechi

A nossa parashá e com ela o Sefer Bereishit (Livro do Gênesis) conclui com a da passagem do falecimento de José, José o tzadik e o governante no Egito.

Dom Abarbanel no seu comentário a esta passagem centra-se na longevidade da nomeação de José. O versículo diz-nos que José se apresentou perante o Faraó como um jovem de trinta anos. Tendo vivido até a idade de cento e dez, ele ocupou a sua posição como governante durante oitenta anos. Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat: “Vayigash” – Chabad Portugal

Vayigash

A nossa parashá começa com os momentos finais de tensão antes de José finalmente revelar aos seus irmãos a sua verdadeira identidade.

Tendo suportado tanta dor e sofrimento é notável verficar que José vê todo o episódio de forma positiva. Ele está focado em certificar-se de que os seus irmãos, que o tinham vendido, se concentravam num futuro positivo em vez de num passado culpado. Continue a ler (Continue reading)→

A Kabbalistic Spin on Dreidel – Chabad.org

By Rabbi Aaron L. Raskin
In: http://www.chabad.org/multimedia/media_cdo/aid/2807430/jewish/A-Kabbalistic-Spin-on-Dreidel.htm


Visit Jewish.TV for more Jewish videos.

Rabbi Aaron L. Raskin is the official Chabad emissary to downtown Brooklyn and rabbi of Congregation B’nai Avraham in Brooklyn Heights, New York. He is the author of the books “Letters of Light“, “By Divine Design“, and “Guardian of Israel“, and the co-author of “The Rabbi & The CEO“.

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Miketz/Chanukah” – Chabad Portugal

Mikeitz – Chanukah

Chanukah Cascais Video

Mais vale tarde do que nunca

Na parasha desta semana lemos que José é convocado da prisão para se apresentar perante o Faraó.

Anteriormente, enquanto estava falsamente aprisionado, José interpreta corretamente o sonho do mordomo do Faraó. Depois de este ter assegurado a José que intercedereia perante o Faraó a seu favor, imediatamente se esquece e nada faz. Continue a ler (Continue reading)→

Cascais juntou comunidade judaica para celebrar o Chanukah – Menorah

In: http://www.cascais.pt/noticia/cascais-juntou-comunidade-judaica-para-celebrar-o-chanukah-menorah

A comunidade judaica juntou-se esta quarta-feira, 28 de dezembro, em Cascais para celebrar o Chanukah – Menorah.

“Cascais é o local perfeito para celebrar a luz” porque é “multicultural”, salienta o rabino Eli Rosenfeld, líder da Chabad Portugal, organização e movimento que promove o pensamento judaico pelo mundo. Continue a ler (Continue reading)→

Rabino Eli Rosenfeld – Parashá “Vayeitzei” – Chabad Portugal

Caridosos atos de dádiva e de bondade são parte do tecido da vida, da história e da lei judaica. Desde as primeiras histórias dos nossos antepassados que lemos como eles sempre se comprometeram em designar parte de suas posses para um propósito mais elevado.

Na nossa parashá, lemos as palavras de Jacó afirmando a D-us: “De tudo o que Me der, eu darei um dízimo (dez por cento) para Ti”. (Bereishit 28:22)

Para além do costume e da obrigação da caridade, também encontramos palavras fortes associadas ao seu mérito. No livro de Mishlei (Provérbios) encontramos as famosas palavras “e a caridade salvará da morte” (Mishlei 10: 2) Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Toldot” – Chabad Portugal

1

Toldot

O fim da parashá desta semana está repleto de drama e intriga em torno das bênçãos de Isaque.

Embora inicialmente destinadas ao filho mais velho Esav, Jacó é quem em última análise recebe as bênçãos. Diz-lhe: “Que Deus te abençoe com o orvalho dos céus e a gordura da terra”. (Bereshit 27:28) Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli and Rabanit Raizel Rosenfeld – Fire in Israel – Chabad Portugal

Fire in Haifa – Video: Haaretz

Dear Friends,

We are all very worried and very concerned about the terrible tragedies going on in Israel the past few days, the out of control fires being lit by terrorists affecting communities, schools being burned, entire neighborhoods consumed and interrupting life in many parts of Israel. Every hour another community is on fire.

We as Jews always believe that no matter how grim or difficult the situation is, we have the power to change things by praying to G-d and adding in good deeds. A group of great rabbis in Israel has suggested that today all Jewish women and daughters should light Shabbat candles. In Lisbon/Cascais, we are lighting at 16h59. By doing so, this will add more light and fire in a positive and holy way and will overpower the evil energy bringing the negative fires.

Wishing you all a very good Shabbat with hope and prayers for peace in Israel.

Rabbi Eli and Raizel Rosenfeld

Rabi Eli Rosenfeld – Cartas de Lisboa – Parashat “Chayei Sarah” – Chabad Portugal

1

Uma grande parte da parashá desta semana referencia uma personalidade bíblica única, Eliezer, o confiável ajudante de Abraão. A Eliezer foi dada a tarefa de garantir o futuro do Povo Judaico, incentivando a família de Rebeca, a futura esposa de Isaque, a permitir que deixassem Rebeca viajar e juntar-se a Isaque na Terra de Canaã. Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Lech Lechá” – Areia, Estrelas, e Poeira.

1

Lech Lecha

Areia, Estrelas, e Poeira.

Na Parashá desta semana lemos sobre o futuro do Povo Judeu, os descendentes de Abraão e Sara.

D-us diz a Abraão que os seus filhos serão como a “poeira da terra”. (Bereshit 13:16). Tal como é impossível contar as partículas de poeira que existem na terra, também não se pode contar o Povo Judeu. Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Noach” – Chabad Portugal

aNoach

Na porção da Torah desta semana, lê-mos a história da Torre de Babel.

“A terra inteira um único idioma e um propósito comum … eles disseram, ‘Venham, construamos uma cidade e uma torre com o seu topo nos céus e façamos um nome para nós próprios’. D-us disse … ‘Confundamos os seus idiomas de modo a que eles não se compreendam’ … e D-us dispersou-os sobre a face de toda a terra.”  Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashá “Bereishit” – Chabad de Portugal

Dedicado em honra da família Tishler por ocasião do Bar Mitzvah do Samzi

a

A criação de Adão e Chava (Eva) é descrita na Parashá desta semana. Adão e Chava são primeiro criados como uma entidade unificada, como o versículo descreve Adão tendo sido formado a partir da terra, e posteriormente criando Chava separando-a de Adão. Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Yom Kippur – Chabad Portugal

letterA discução da Torá sobre o serviço de Yom Kippur está repleta de detalhes.

Dom Abarbanel, no seu comentário à Torá, concentra-se numa parte recorrente das actividades deste dia. O Cohen Gadol tinha frequentemente de mudar as suas vestes, oscilando entre o vestuário com ouro e o simples vestuário branco.
Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Parashá “Ki Tavo” – Chabad Portugal

letter

Durante o mês de Elul, é nossa tradição recitar o Capítulo 27 dos Tehilim. O capítulo abre com o verso, “D-us é a minha luz e a minha salvação … D-us é a fortaleza da minha vida …

No século XV em Portugal, um dos rabinos líderes em Lisboa foi o Rabino Yosef Chayon. Entre as suas obras publicadas, encontra-se um comentário complete sobre os Tehilim. Continue a ler (Continue reading)→

The Mystical Nature of Elul: The four stages in the parable of the king in the field

By Moishe New*
In: http://www.chabad.org/multimedia/media_cdo/aid/3426630/jewish/The-Mystical-Nature-of-Elul.htm


zmqv9480297

Rabbi Moishe New heads the Montreal Torah Center. He is a sought out lecturer on Kabbalah and its relevance in our lives today.

Traditionally, the month of Elul is a period of preparation for the High-Holy-Days when G-d sits in judgment over the fate of each of person. This class presents a deeper and transformative understanding of this special time. Ultimately, uncovering the paradox in the four progressive stages of connection afforded during this period, culminating with the High Holidays. (Based on the maamar Ani L’dodi 5732)

Rabi Eli Rosenfeld – Parashá “Re’eh” – Chabad Portugal

Rabbi Eli Rosenfeld
chabadportugal.com


1

Re’eh

Parte da Parsha desta semana é dedicada a apresentar na sua minúcia os detalhes das obrigações de um Judeu em matérias financeiras e de caridade.

No seu comentário à Torá Dom Abravanel, explica a estrutura e a organização destas leis em função da sua ordem e da sua localização nos versos que as contêm: Continue a ler (Continue reading)→

Rabi Eli Rosenfeld – Cartas de Lisboa – 26Ago2016 – Chabad Portugal

B”H

1

Eikev

A nossa Parsha começa com Moisés a detalhar a natureza do pacto entre D-us o o Povo Judaico. Em troca pela devoção do Povo Judaico e do seu cumprimento dos Seus desejos, D-us promete recompensa.

Muitos comentadores notam a curiosa escolha de palavras. Há muitas palavras e terminologias que poderiam ilustrar este ponto. Por que razão é que a Torá usa especificamente a palavra Ekev, a qual pode também significar calcanhar? Continue a ler (Continue reading)→

Why Does G-d Not Feed the Poor?

By Aron Moss
In: http://www.chabad.org/library/article_cdo/aid/3407970/jewish/Why-Does-G-d-Not-Feed-the-Poor.htm


AgPm9763467

Question:

G‑d is surely not a hypocrite. If He tells us to do something, He should do it Himself as well. So shouldn’t G‑d be obligated to feed the poor? Why doesn’t He help His own children rather than commanding us to do it for Him? Continue a ler (Continue reading)→

The Seven Species and Seven Attributes

Based on the teachings of the Lubavitcher Rebbe
Courtesy of MeaningfulLife.com
In: http://www.chabad.org/parshah/article_cdo/aid/83649/jewish/The-Seven-Species-and-Seven-Attributes.htm

yMyU9763438

For the L-rd your G‑d is bringing you to a good land: … A land of wheat, barley, grapes, figs and pomegranates; a land of oil-yielding olives and [date] honey – Deuteronomy 8:8

Our sages tell us that, originally, all trees bore fruit, as will also be the case in the Era of Moshiach. A fruitless tree is a symptom of an imperfect world, for the ultimate function of a tree is to produce fruit. Continue a ler (Continue reading)→

Lag b’Omer – Significado

Hoje Lag b’Omer, o 33º da contagem do Omer, dia de Festa entre os Judeus. Vejamos  o que o movimento Chabad diz acerca desta Festa:

Fogueiras

Uma fogueira de Lag b’Omer

 

Significado de Lag Baômer

Lag Baômer significa “33º do Ômer,” pois este é o 33º dia da “Contagem do Ômer” que tem a duração de 49 dias, conectando Pêssach a Shavuot, e interligando a jornada dos judeus na saída do Êgito até a chegda ao Monte Sinai. No calendário judaico, este corresponde ao 18º dia do mês de Iyar.

Continue a ler (Continue reading)→

Tishá Be Av (9 de Av)

qTfH7417588

No Kotel. Clique na imagem para ler…

In: http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/1245409/jewish/O-Jejum-de-Tish-BeAv.htm?gclid=CjwKEAjwocKtBRCf9d_Q5ovcyHASJAAHhJYOLz9SGksxEKXh5YItc-sj0g_oOTj_gkDrd-cGyCiEuhoC5DHw_wcB

Festa de homenagem ao Lubavitcher Rebbe, Rabbi Menachem Schneerson

schneerson_1

Clique na imagem para ver as fotografias

Decorreu no passado dia 10 de Julho um acto de homenagem ao Lubavitcher Rebbe, Rabbi Menachem Schneerson, lembrando os 20 anos da sua morte. A cerimónia decorreu nas instalações do Centro Champalimaud em Algés. Na Segunda Guerra, o Rebbe saiu para a liberdade fugindo do terror Nazi pelo porto de Lisboa.

Mensagem da Parashá – “Pinechas”

MensagPinchas

In: http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/822861/jewish/Mensagem-da-Parash.htm

Ao final da Porção da Torá da semana passada, aprendemos sobre as mulheres medianitas que tentaram seduzir os homens judeus a adorar Ba’al Peor, um abominável ídolo pagão. A estratégia para seduzir os homens surtiu efeito e já provocara a morte de 24.000 pessoas por uma peste divinamente enviada. A história tem seu clímax quando Zimri, um príncipe da tribo de Shimeon, é flagrado tendo relações pecaminosas com Kazbi, uma princesa Medianita, bem no meio do acampamento israelita. Pinechas, o neto de Aharon, reage tomando de uma lança e golpeando os dois parceiros pecadores, pondo um fim à praga. Continue a ler (Continue reading)→

Parashá “Pinechas” – Resumo

Pinchas

In: http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/771048/jewish/Resumo-da-Parash.htm

A Parashá Pinechas começa com D’us concedendo sua bênção de paz e sacerdócio a Pinechas, o neto de Aharon, por assassinar um príncipe da tribo de Shimeon e uma princesa medianita enquanto estavam envolvidos em um ato licencioso em público (ao final da Porção da Torá da semana passada). Continue a ler (Continue reading)→

Mensagem da Parashá – “Balac”

JJaj6572675

In: http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/822860/jewish/Mensagem-da-Parash.htm

O Talmud (Tratado Berachot 12b) declara que os Sábios queriam incluir a porção Balac desta semana da Torá em nosso recital diário da prece fundamental Shemá. A questão, é claro: por que? O que há de tão especial na Porção Balac da Torá para justificar que seja recitada diariamente em uma de nossas preces mais importantes? A resposta pode ser encontrada em um versículo em particular – “Eles são uma nação que se levanta como um jovem leão” (Bamidbar 23:24). Continue a ler (Continue reading)→

Mensagem da Parashá – “Chukat”

106652

http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/822859/jewish/Mensagem-da-Parash.htm

Ao caminhar pelo moderno shopping center próximo à rodoviária do centro em Be’ersheva, Israel, você se sente quase em casa. Dezenas de lojas modernas parecem totalmente americanas; nota-se a visão familiar de pessoas subindo escadas rolantes, subindo e descendo o saguão repleto de lojas da parte central do shopping; e pode dar um profundo suspiro de alívio ao encher os pulmões com o ar condicionado fresco e suave deste maravilhoso centro de compras.

Continue a ler (Continue reading)→

Parasha “Chukat” – Resumo

106652

In: http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/771046/jewish/Resumo-da-Parash.htm

Chucat começa com o puro decreto da Torá, Chucat Hatorá, uma mitsvá que somos conclamados a cumprir mesmo que não possamos entender seu propósito e sua razão – a vaca vermelha (Pará Adumá), cujas cinzas eram usadas para purificar as pessoas que se contaminaram através de contato com o corpo de uma pessoa morta.

Continue a ler (Continue reading)→

Mensagem da Parashá – “Corach”

In: http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/822858/jewish/Mensagem-da-Parash.htm

“Os líderes da rebelião ficaram perante Moshê com duzentos e cinqüenta homens dos Filhos de Israel, líderes da congregação, aqueles convocados para a reunião, varões de renome” – Bamidbar 16:2.

Finja que você é um dos duzentos e cinqüenta homens que estavam lutando por “direitos iguais” sob o comando de Côrach. Como estes homens eram líderes judeus, pode-se presumir que eram pessoas inteligentes; a maioria dos líderes da história o foi. Portanto, coloque-se no lugar deles. Côrach vem até você e o convida a juntar-se a uma rebelião contra Moshê e os Cohanim. Você provavelmente perguntaria: “Estamos lutando contra o quê?” A resposta seria: “Não é justo que os Cohanim sejam os únicos a realizar o serviço de D’us no Mishcan. Creio que todos deveriam ter permissão de participar.”

Continue a ler (Continue reading)→

Mensagem da Parashá (Behaalotechá)

http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/822856/jewish/Mensagem-da-Parash.htm

A Porção da Torá desta semana, Behaalotechá conta como os Filhos de Israel ficaram desanimados com o maná que D’us lhes forneceu para comer durante a viagem pelo deserto. Após serem incitados pelos incessantes resmungos dos erev rav, outros povos que se uniram ao povo judeu na saída do Egito, os Filhos de Israel reclamaram: “… Quem nos alimentará com carne? Que saudade dos peixes grátis que tínhamos para comer no Egito; os pepinos, melões, alhos-porros, cebolas e alho. Mas agora, nossa vida é monótona; nada temos para esperar, exceto o maná!” (Bamidbar 11:4-6). Continue a ler (Continue reading)→