Da Terra do Leite e do Mel à Nação da Inovação – Newsletter da Embaixada de Israel em Portugal – Nº 393 – 13 de Abril de 2017

Pessach: a Festa da Liberdade

O feriado de Pessach é comemorado na primavera, começando no dia 15 do mês hebraico de Nissan regozijando-se com o Êxodo do povo judeu do Egipto e a libertação da escravidão. De acordo com a tradição, a celebração de Pes­sach ocorreu quando, de acordo com a Torá, Deus enviou as Dez pragas do Egipto sobre o povo egípcio. Antes da décima praga, o profeta Moisés foi in­struído a pedir que cada família hebraica sacrificasse um cordeiro e molhasse os umbrais (mezuzot) das portas com o sangue do animal para que não foss­em atingidos pela morte de seus primogénitos. Chegada a noite, os hebreus comeram a carne do cordeiro, acompanhada de pão ázimo e ervas amargas (como o rábano, por exemplo). À meia-noite, um anjo enviado por Deus feriu de morte todos os primogénitos egípcios. Então o Faraó, temendo a ira divina, aceitou libertar o povo de Israel, o que levou ao Êxodo. Na primeira noite de Pessach, durante o do seder (uma refeição cerimonial especial) são recordadas as dez pragas. Quando cada uma das pragas é mencionada, cada pessoa mergulha o dedo, ou molha os lábios, no seu copo e retira uma gota de vinho; Mesmo que os judeus fossem oprimidos no Egipto, somos lembrados de que não nos devemos alegrar com o sofrimento dos egípcios. Os nossos copos de vinho não podem, assim, estar cheios.