Rabino Marc D Angel – Qual direção?: Reflexões da Parashá Chukat 5777 – Institute for Jewish Ideas and Ideals

Na Parasha desta semana lemos sobre a queixa dos israelitas da falta de água, sobre as instruções que D-s dá a Moshe para falar com a rocha, sobre Moshe golpeando a rocha para produzir água, de D-s informando a Moshe que ele não teria permissão para entrar na Terra Prometida. Moshe errou. Ele e Aarão foram instruidos por D-s: “Porquanto não crerem em Mim para me santificar aos olhos dos filhos de Israel, não trouxerás esta assembléia para a terra que eu lhes dei”. (Bemidbar 20:12).

Ao ouvir esta notícia, Moshe deve ter se sentido devastado. Depois de tantos anos de serviço dedicado, agora lhe foi dito que não teria permissão para terminar sua missão.

Como a Torá descreve a reação de Moshe ao decreto de D-s? Lemos algo sobre Moshe pedindo perdão? Ele cumprio pena pela sua transgressão? Vemos Moshe chorando, suplicando, rezando, pedindo outra chance?

Não, nenhum dos itens acima.

Imediatamente após os versículos onde o decreto de D-s é anunciado, a Tora continua: “E Moshe enviou mensageiros de Cades ao rei de Edom…” (20:14). Moshe continuou com os planos para direcionar os israelitas para a Terra Prometida. Ele estava procurando a permissão dos governantes vizinhos para que os israelitas passassem por suas terras, enquanto eles seguiam para a terra que D-s lhes havia dado.

Sim, quando sua morte se aproximou, Moshe invocou o Todo-Poderoso pelo privilégio de entrar na Terra Prometida (Devarim 3:23-25). Mas, no próprio momento do decreto de D-s, a Torá não reporta nenhuma reação da parte de Moshe. Em vez disso, ele descreve Moshe prosseguindo com seu trabalho como se nada de fatídio tivesse acontecido com ele.

Moshe colocava as necessidades das pessoas acima de suas próprias preocupações pessoais. Ele devería estar com o coração partido ao ouvir o decreto de D-s, mas ele não deixou seus próprios sentimentos e frustrações entrar no caminho de sua liderança dos israelitas.

Moshe era um líder singular. Ele manteve-se concentrado em suas responsabilidades para com seu povo, mesmo em um grande sacrifício pessoal.

Moshe deu o exemplo do que a verdadeira liderança implica. Ele nos forneceu a orientação sobre a natureza da responsabilidade.

Em uma conversa recente, o rabino Avi Weiss descreveu a liderança “dirigida pela missão”. Esses líderes têm uma grande visão do que precisa ser realizado e eles dedicam suas vidas a se esforçar para alcançar seus objetivos. O rabino Weiss contrasta esse tipo de líder com aquele que é “dirigido pela função”. O último faz o seu trabalho, com melhores ou piores resultados, sem qualquer idealismo primordial.

Esses tipos de líderes são paralelos aos tipos de instituições que lideram. As sinagogas dirigidas pelas funções fornecem serviços de oração, algumas aulas e outros programas que as congregações podem exigir. Elas operam como empresas que oferecem funções. Seu objetivo é operar de um dia para o outro, e de um ano para o outro, como fizeram no passado.

As sinagogas dirigidas pela missão são muito diferentes. Elas não só fornecem os serviços das sinagogas dirigidas pelas funções, mas têm objetivos de longo prazo, planos idealistas, visão religiosa. Eles planejam o futuro de maneiras criativas. Eles procuram atrair pessoas, oferecendo uma mensagem espiritual.

Alguns rabinos e líderes leigos pensam que é suficiente manter o status quo, ou promover seus “negócios” com serviços de relações publicas. Tais líderes e instituições dirigidos por funções traem os próprios ideais e idealismos sobre os quais as instituições religiosas devem se basear. Eles tendem a colocar seus próprios egos antes das necessidades religiosas da comunidade. Eles usam a sinagoga para uma auto-promoção. Eles têm fome de controle e influência.

Outros rabinos e líderes leigos são dirigidos pela missão. Eles se esforçam para trazer a Presença Divina no meio de suas sinagogas e seus congregados. Eles servem com o maior idealismo e piedade, não para um auto-engrandecimento ou ganho pessoal. Esses líderes dirigidos pela missão e suas comunidades procuram ir além de fornecer funções. Eles procuram inspirar ideais, melhorar a espiritualidade, trabalhar ativamente para o melhoramento da sociedade como um todo.

Moshe é lembrado em nossa tradição como “Moshe Rabeinu”, Moshe, nosso professor. Nós consideramos seu exemplo como um líder dirigido pela missão. Ele dedicou sua vida a aproximar seu povo de D-s e a D-s mais perto de seu povo. Moshe enfrentou muitos desafios e frustrações, mas ele não perdeu seu senso de missão. Mesmo quando ele foi confrontado com um decreto pessoalmente devastador, sua primeira reação foi: o que devo fazer ao lado de ajudar meu povo a atingir seu objetivo?

Shabat Shalom.