Muitos parabéns! Elvas já tem uma Casa de História dos Judeus de Elvas

Visita do Presidente da AAPI ao local durante as obras.

Visão parcial do espaço interno da Casa da História dos Judeus de Elvas.

Foi inaugurada, no passado dia 2 de Setembro, a Casa da História dos Judeus de Évora, acto de grande justiça e de grande impacto no potencial turístico e cultural do Município de Elvas. Por este facto saudamos e damos efusivamente os parabéns à Câmara Municipal de Elvas, na pessoa do seu Presidente, Dr. Nuno Mocinha, assim como a todos quantos participaram neste projecto e tornaram possível a recuperação do espaço para que nele seja instalada a Casa da História dos Judeus de Elvas, nomeadamente, o dr. Rui Jesuíno e a drª. Tânia Rijo.

Descerramento da Lápide Inaugural da Casa da História dos Judeus de Elvas. Da esquerda para a direita, o Presidente da Câmara Municipal de Elvas, Dr. Nuno Mocinha, o Presidente da Comunidade Israelita de Lisboa, dr. Gabriel Steinhardt e o Presidente da Associação de Amizade Portugal/Israel, Arqº António Caria Mendes.

A inauguração do espaço revestiu-se de grande dignidade e foi acompanhada por um grande número de elvenses. Estimamos que, no mínimo, tenham estado presentes 250 munícipes.

A lápide comemorativa foi descerrada, pelo Presidente do Município, dr. Nuno Mocinha, que convidou o Presidente da Comunidade Israelita de Lisboa e o Presidente da Associação de Amizade Portugal/Israel, para que o acompanhassem naquele acto.

Queremos, ainda, felicitar a Câmara de Elvas por ter atribuído um nome tão expressivo ao espaço agora inaugurado: Casa da História dos Judeus de Elvas. Numa atitude histórica louvável, a Autarquia resolveu adoptar esta designação porque, embora o espaço em questão possa ter sido uma das ou a Sinagoga de Elvas, no período medieval, nada existe que, de forma taxativa, o prove. Assim, ao contrário do que acontece em muitos lugares onde se pretendem ver Sinagogas em edifícios com cantareiras  embutidas na parede, o Município pretendeu, num exemplo de honestidade histórica inaudito, não designar como Sinagoga um espaço cuja funcionalidade no final da Idade Média é, por agora, desconhecido. A AAPI- Associação de Amizade Portugal/Israel não pode deixar de louvar e apoiar com todo o empenho esta atitude que honra, de sobremaneira, o Município.

Azulejos da fachada da Casa da História dos Judeus de Elvas. Foi frequente, após o Decreto de Muge de D. Manuel, transformar muitas das Sinagogas então existentes em açougues, como forma de humilhação dos judeus. O cavaleiro do painel superior será, porventura, D. Sancho II que atribuiu o Primeiro Foral a Elvas.

Após a inauguração do espaço, o edifício irá manter-se encerrado durante o período de instalação do núcleo museológico, após o que se tornará um local de visita obrigatória para todos quantos se interessem pela história de Portugal e dos Judeus na Península Ibérica.