Rabi Eli Rosenfeld – Parashat “Toldot” – Chabad Portugal

1

Toldot

O fim da parashá desta semana está repleto de drama e intriga em torno das bênçãos de Isaque.

Embora inicialmente destinadas ao filho mais velho Esav, Jacó é quem em última análise recebe as bênçãos. Diz-lhe: “Que Deus te abençoe com o orvalho dos céus e a gordura da terra”. (Bereshit 27:28)Ao perceber o que aconteceu, Esav vira-se para o seu pai em desespero, implorando para também ser abençoado.

E Isaque cede a esta pretensão e também abençoa Esav?

Embora pareça que Isaque responde afirmativamente ao pedido de Esav, ao aparentemente também o abençoar, introduzem-se diferenças sutis entre os dois diálogos.

O Rabino Abraão Sabá assinala que quando Isaque responde a Esav o versículo descreve isto como “Isaque, seu pai respondeu”, não como uma bênção de D’us, mas sim como uma declaração factual de pai para filho.

A bênção de Jacó começa com as palavras: “Que Deus te abençoe”, o que é claramente omitido nas palavras dirigidas a Esav. Além disso, ao abençoar Jacó, Isaque primeiro menciona o “orvalho” e somente depois a “terra”, enquanto que com Esav este padrão é invertido.

As razões para essas diferenças são simples, diz o Rabino Sabá, e são auto-evidentes. Enquanto Jacó realmente recebe bênçãos para o futuro de sucesso e prosperidade, Esav não.

As palavras para Esav, não foram uma bênção, mas uma simples declaração factual. Esav estava realmente vivendo da gordura da terra! Não através de bênçãos e bom sucesso, mas sim através de roubo e de desonestidade.

Isaque estava, portanto, dizendo-lhe como um pai, que enquanto o seu comportamento for desta maneira, ele não pode ser abençoado.

Isso foi mesmo sugerido ao mencionar primeiro a terra e só depois o orvalho. Este é o oposto da ordem natural, onde a humidade é necessária em primeiro lugar para garantir as culturas abundantes da terra. Esav está sendo sutilmente repreendido e recordado que este estilo de vida e comportamento não pode continuar.

No entanto, Jacó é abençoado com as palavras: “Que Deus te abençoe”. Ele recebeu a tarefa e a capacidade de transformar o mundo, começando com o orvalho dos céus até tudo na terra.

Shabat Shalom!

Rabino Eli Rosenfeld
chabadportugal.com


A história do Judaísmo em Portugal é uma fina tapeçaria rica em desafios e sucessos ao longo de tempos imemoriais. As terras portuguesas produziram e acolheram alguns dos nossos maiores Rabinos e líderes. Desde o estadista, líder, e sábio, Rabino Dom Yitzchak Abarbanel até ao autor do Shulchan Aruch, o Rabino Yosef Karo no século dezasseis até mais recentemente ao tempo que passou em Lisboa em 1941 o Grande Rabino de Lubavitch, o solo Portugal foi testemunha de importantes contribuições para o reforço das comunidades Judaicas e da sua compreensão e aderência à Torah.

É em reconhecimento da natureza imorredoira destas contribuições e em honra de todos os Judeus que ao longo de tempos de glória e deescuridão residiram em Portugal, que estes comentários da autoria dos grandes Rabinos de Portugal vos são aqui apresentados – aqui em Portugal.

Um agradecimento especial ao Rabino Shlomo Pereira pela tradução deste texto para português.